Nerdizmo

Diferenças sociais em colagens que incomodam

Ele usa fotografias de diferentes partes do mundo para retratar o grande abismo entre uma e outra pessoa em contraste

Diferenças sociais em colagens que incomodam

As diferenças sociais mostradas nas colagens de Uğur Gallenkuş, artista digital de Istambul, incomodam. E elas foram feitas justamente para este propósito.

Ele usa fotografias de diferentes partes do mundo para retratar o grande abismo entre uma e outra pessoa em contraste. Normalmente pessoas de diferentes realidades, sendo que uma é rica, outra pobre, uma tem acesso a educação, outra não, e assim por diante.

São questões que afetam as crianças, como a pobreza, fome e o tráfico de crianças.

“Uma pergunta que todos nós fazemos em algum momento, especialmente quando entendemos o que significa ser um pai, é esta: que legado estamos deixando aos filhos do mundo?” pergunta o artista.

Ver toda essa injustiça inspirou Uğur a publicar um livro intitulado Parallel Universes of Children. Ele comenta sobre a publicação:

“O livro tem como fundamento a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, vigente desde 1990, que visa, por meio dessas 50 colagens, transmitir os direitos essenciais que cada criança deve ter, independentemente de sua situação ou geografia”, explica a artista. “Cada colagem representa um dos direitos das crianças determinados pela ONU e é acompanhada por estatísticas que indicam as realidades urgentes que colocam as crianças em perigo em todo o mundo.”

Uğur espera que seu livro inspire uma mudança na consciência dos adultos, convidando-os a deixar sua ganância e egos para trás, a fim de tornar o mundo um lugar melhor para as crianças de hoje.

“Este livro é dedicado a todas as crianças do mundo: pobres ou ricas, em países desenvolvidos ou subdesenvolvidos, educadas ou não, famintas ou obesas, mortas ou vivas”, diz o artista. “Este livro é um CHAMADO À AÇÃO!”

Veja algumas de suas importantes colagens abaixo.

As diferenças sociais mostradas em colagens

Veja mais sobre sociedade!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.