Nerdizmo

15 mil cientistas alertam sobre devastadoras mudanças climáticas que resultarão em colapso da Terra até 2100

Assunto exige ação imediata para conter os estragos e possivelmente salvar o meio ambiente

15 mil cientistas alertam sobre devastadoras mudanças climáticas que resultarão em colapso da Terra até 2100
  • Pesquisadores apontaram inúmeros problemas, desde combustíveis fósseis até ondas de calor
  • A projeção é que, se não mudarmos urgentemente algumas diretrizes, nossa vida na Terra sofrerá um grande colapso

As devastadoras mudanças climáticas estão em curso, e cientistas novamente soam o alarma sobre esse assunto. Desta vez, eles estão dizendo que o ambiente em rápida mudança da Terra pode resultar em um desastre global de proporções épicas até o final do século.

Um novo artigo publicado na revista BioScience foi assinado por mais de 15.000 cientistas em 161 países e alerta que “a vida no planeta Terra está sob cerco” à medida que continuamos a nos encaminhar cada vez mais rapidamente para o colapso ambiental.

“Por várias décadas, os cientistas consistentemente alertaram sobre um futuro marcado por condições climáticas extremas devido ao aumento das temperaturas globais causado por atividades humanas contínuas que liberam gases de efeito estufa prejudiciais na atmosfera”, afirma o artigo. “Infelizmente, o tempo se esgotou.”

É preciso agir agora para evitar as devastadoras mudanças climáticas

Em um comunicado, Christopher Wolf, estudioso pós-doutorado da Universidade Estadual do Oregon e coautor líder do estudo, ecoou o tom sério do artigo enquanto oferecia alguns vislumbres de esperança, combinados, é claro, com importantes estratégias de mitigação.

“Sem ações que abordem o problema fundamental de a humanidade retirar mais da Terra do que ela pode dar com segurança”, disse Wolf, “estamos a caminho de um potencial colapso dos sistemas naturais e socioeconômicos e um mundo com calor insuportável e escassez de alimentos e água potável”.

No estudo, o pós-doutor da OSU e seus outros 11 coautores incluíram diversos pontos de dados surpreendentes mostrando que, em 2023, vários recordes climáticos foram quebrados “por margens enormes”.

O artigo aponta para a temporada de incêndios florestais do Canadá excepcionalmente ativa deste ano e disseram que isso “pode indicar um ponto de virada para um novo regime de incêndios”, o que é indiscutivelmente uma das frases acadêmicas mais assustadoras já escritas.

O professor de silvicultura da OSU, William Ripple, outro autor do estudo, acrescentou que este ano trouxe “padrões profundamente alarmantes” e que não é reconfortante que tenhamos feito tão pouco para resolver as coisas.

“Também descobrimos pouco progresso a relatar no que diz respeito à humanidade combatendo as mudanças climáticas”, disse Ripple em comunicado.

Como inúmeros cientistas antes deles, os 12 autores do estudo e milhares de signatários apontaram não apenas para a indústria de combustíveis fósseis altamente poluentes, mas também para os representantes do governo que os subsidiam como uma das causas fundamentais desse efeito bola de neve climático.

Segundo o artigo, entre os anos de 2021 e 2022, os subsídios aos combustíveis fósseis dobraram, essencialmente, de US$ 531 bilhões para um pouco mais de US$ 1 trilhão – e isso é apenas nos Estados Unidos.

“Devemos mudar nossa perspectiva sobre a emergência climática de ser apenas um problema ambiental isolado para uma ameaça existencial sistêmica”, escreveram os autores do artigo – e afastar-se dos combustíveis fósseis, juntamente com a luta contra o “consumo excessivo dos ricos”, são duas das primeiras coisas que precisam ser feitas para evitar uma catástrofe ainda maior antes que o século XXI termine.

Veja mais sobre ciência!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments