Nerdizmo

Uma escultura de um feto no útero com um smartphone

A representação do que as redes sociais fizeram no mundo

Uma escultura de um feto no útero com um smartphone

Federico Clapis é um artista italiano que criou uma escultura de um feto no útero com um smartphone, chamada de “Crypto Connection”.

A provocativa obra de arte traz apenas a estrutura de um torso humano, do sexo feminino, grávida e com um feto dentro, o qual segura um smartphone e parece estar hipnotizado pelo aparelho antes mesmo de nascer.

Embora a tecnologia desempenhe um grande papel no trabalho de Clapis, ele não afirma exatamente o que está acontecendo nesta cena e prefere que os espectadores de sua arte cheguem às suas próprias conclusões, convidando-os a fazê-lo em várias formas de mídia social.

Clapis vive sua arte como materialização de suas experiências e como meio de introspecção para compartilhar com seus seguidores. A tecnologia, tema recorrente em suas obras mais famosas, é uma metáfora do contemporâneo para explorar a condição humana. O artista convida diariamente o público online a escrever e compartilhar nas redes sociais o que a obra de arte nelas despertou, considerando o ato parte integrante da intenção artística.

Nossa interpretação para esta obra é clara: faz uma crítica direta para como o smartphone dominou a vida das pessoas. E cada vez mais cedo os seres humanos estão sendo mesmerizados pelos smartphones, tablets e dispositivos com tela. Crianças estão com smartphones nas mãos cada vez mais cedo. E esta obra simplesmente traz este olhar, em que antes mesmo de nascer estamos presos na tecnologia, nas redes sociais e nas telinhas.

A escultura agora fica na margem sul do rio Tâmisa, em Londres, após ter passado por uma turnê pelo mundo.

O feto no útero com um smartphone

https://www.instagram.com/p/BzvEHS3HB2e/?utm_source=ig_embed
https://www.instagram.com/p/BkxqTPChFtl/?utm_source=ig_embed
https://www.instagram.com/p/Bj7IKrxBO2B/?utm_source=ig_embed
https://www.instagram.com/p/BdnZmuLhJcH/?utm_source=ig_embed

Veja mais sobre arte!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.