Nerdizmo

Fotos de antes e depois da escola em Bagladesh

A diferença das crianças quando trabalhavam e quando começaram a ir na escola

Fotos de Antes e depois da escola em Bagladesh

Antes e depois da escola em Bangladesh pode ser bem diferente da realidade que estamos acostumados. Apesar de no Brasil existir muito trabalho infantil ainda.

Porém, a gente pensa na escola como um direito adquirido, gratuito. Muitas vezes damos pouco valor a isso, faltávamos, não fazíamos o dever de casa, enfim. Ocorre que nem todo mundo pode ter o luxo de ter uma escola.

Em Bagladesh, mais de quatro milhões de crianças são forçadas a trabalhar cedo ao invés de frequentar uma escola.

O fotógrafo GMB Akash quer mudar isso.

Nos últimos 15 anos, o fotógrafo tem usado seu próprio dinheiro para mandar crianças que trabalham para a escola. Até agora, ele ajudou a mudar a vida de 30 crianças e não planeja parar tão cedo.

“Espero que em alguns meses eu consiga admitir mais 10 crianças trabalhadoras na escola”, disse o fotógrafo. “Portanto, em apenas alguns meses, haverá um total de 40 crianças trabalhadoras indo para a escola em vez de para empregos estafantes. Eu assumi a responsabilidade por sua educação completa por toda a minha vida. Desde o início da minha carreira fotográfica, quis mudar a situação e sensibilizar para este sofrimento. No entanto, não fiquei nada feliz em ver essas mudanças acontecendo tão lentamente em nossa sociedade! Portanto, decidi mudar a vida das pessoas diretamente e comecei com aquelas pessoas que fotografei e com quem já estava trabalhando”, explicou GMB Akash. “Comecei a dar treinamento e negócios talentosos para pessoas necessitadas; especialmente os pais de crianças trabalhadoras. Com esses negócios, providenciei para que cada uma das famílias pudesse ganhar mais dinheiro e mandar seus filhos para a escola em vez de para as fábricas. Até agora, consegui 150 negócios diferentes para 150 famílias.”

O fotógrafo diz que não é patrocinado ou pago por nenhuma organização. Ele é um fotojornalista independente freelance e não tem funcionários contratados para ajudá-lo com suas campanhas.

“Eu faço tudo sozinho e assumo total responsabilidade por isso. Isso inclui coletar histórias, tirar fotos, filmar vídeos, entrevistar pessoas, escrever histórias, organizar campanhas de caridade, gerenciar e distribuir bens doados para pessoas sem privilégios e manter minhas próprias contas de mídia social, que uso apenas para encontrar maneiras de ajudar as pessoas que encontrar e tentar melhorar algo em suas vidas”, disse GMB Akash. “Tento me concentrar em tirar o máximo possível de crianças das fábricas e campos onde precisam trabalhar para sobreviver e entrar nas escolas”, diz o fotógrafo. “Eu pessoalmente patrocino a educação de centenas de crianças com minha própria renda porque as crianças educadas são nosso único futuro.”

O fotógrafo diz que, para levar os filhos que trabalham à escola, tem que ir muitas vezes de porta em porta e pedir aos pais que os mandem para a escola.

“Finalmente, consegui convencer alguns dos pais sobre a importância da educação. Eu os motivei a mandar seus filhos para a escola. Não foi nada fácil”, explicou GMB Akash. “Para isso, tive que assumir total responsabilidade financeira por essas crianças com despesas como taxas de matrícula, mensalidades, alimentação diária, livros, roupas, e também para compensar financeiramente seus pais por todo o dinheiro que teriam ganhado cada mês se tivessem trabalhado em vez de ir à escola. Eu também terei que arcar com todas as despesas das crianças para garantir que elas continuem a ir à escola!”

O fotógrafo também concede bolsas de estudo a alunos e diz ter concedido até 200 até agora.

Veja as fotos dele que retratam o seu projeto.

Antes e depois da escola

Veja mais sobre fotografia e sociedade!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Tags: